24 C
Cuiabá
terça-feira, maio 11, 2021

Família denuncia suposto falso médico que tem registro em MT e trata pacientes com Covid-19

InformaMT

Um homem que tem atuado como médico em Mato Grosso, identificado como C.N.A., foi denunciado por uma família que descobriu que ele teve seu registro cassado nos Estados de São Paulo e Bahia, pois o diploma dele seria falso. Ele ainda possui registro ativo no Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso e há uma decisão judicial impedindo o cancelamento da inscrição dele. Ele foi o responsável pelo tratamento de um dos membros da família denunciante, cujo quadro de saúde acabou se agravando bastante.

A denúncia foi feita pela sobrinha do paciente. Ela relatou que no dia 31 de março seu tio testou positivo para Covid-19 e com a piora em seu estado de saúde a família contratou, no dia 5 de abril, o médico C.N.A., após indicação de um parente que também foi atendido pelo suposto médico.

C.N.A. foi até a residência do paciente e indicou o tratamento em domicílio, alegando que os hospitais não estavam realizando o protocolo que ele iria realizar e dizendo que nas unidades de saúde estavam intubando pacientes sem anpalise de critérios. Ele ainda indicou um enfermeiro para aplicação das injeções que prescreveu e também um fisioterapeuta pulmonar.

A tia da denunciante também acabou testando positivo para Covid-19 e o médico ofereceu um “pacote de tratamento” para os dois, em casa. As tomografias feitas nos dois apontaram que mais de 50% de seus pulmões estavam comprometidos e, com a piora do quadro, o tio foi colocado em uma espécie de home care improvisado, para receber oxigênio. A família teve que alugar equipamentos oferecidos pelo fisioterapeuta indicado pelo suposto médico.

Segundo a denunciante, o próprio médico teria vendido os medicamentos que ele mesmo receitou. Na primeira vez a família comprou na farmácia, pelo valor de R$ 500, mas depois o médico ofereceu o medicamento por R$ 300. A tia acabou também sendo colocada no oxigênio por apresentar saturação em queda.

Como os casos não apresentavam melhora a família questionou se não era caso de internação, mas o suposto médico afirmou que o que ocorria era normal, que seriam três dias mais críticos, porém, se optassem por internação deveriam procurar a UPA do Pascoal Ramos, pois lá ele tem acesso e poderia continuar o acompanhamento.

A denunciante então disse que começoua  desconfiar, após as falas do suposto médico e a venda de medicamentos por ele, e pesquisou o registro do CRM dele. Ela viu que no CRM-MT o registro está ativo e regular, mas nos Estados da Bahia e São Paulo as inscrições foram anuladas. Ela acabou descobrindo que as incrições foram canceladas pois o diploma de C.N.A. seria falsificado.

Ela então fez a denúncia no CRM-MT e a resposta que recebeu é que ha uma decisão judicial que autoriza ele exercer medicina em Mato Grosso. O processo está em fase de análise recursal.

Na decisão o juiz relata que C.N.A. concluiu o curso de medicina na Bolívia, mas se submeteu ao processo de Revalidação de Diploma, que foi revalidado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). No entanto, a UFRN enviou ofício à universidade boliviana, questionando a autenticidade do diploma, mas foram informados que o diploma do médico seria falsificado.

A UFRN então oficiou o Conselho Federal de Medicina (CFM) e depois disso o CRM-MT iniciouo o processo para cassação da inscrição de C.N.A. Porém, a universidade boliviana depois encaminhou um novo ofício alegando erro, dizendo que na época em que C.N.A. se graduou o sistema não era informatizado, mas depois, em busca nos arquivos físicos, encontraram o registro. A Justiça então deferiu a liminar e determinou que o CRM-MT restabelecesse a inscrição.

A denunciante disse que após descobrir tudo isso a família procurou outro médico, pois o quadro de saúde de seus tios havia piorado. Eles acabaram descobrindo que  os dois estavam recebendo tratamento para pneumonia bacteriana. O caso ainda não foi concluído e, caso fique comprovado que o diploma é falsificado, a Polícia Federal é que irá investigar e indiciar o médico.

InformaMT/OlharDireto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE

NOTÍCIAS

Leia mais notícias